Farmácia online e offline segue tendência mundial de atender consumidor em multicanais

Farmácia online e offline segue tendência mundial de atender consumidor em multicanais

BLOG

Como a categoria de medicamentos, cosméticos e beleza ocupa a terceira posição nos itens mais pedidos no comércio eletrônico com 12%, de acordo com o Webshoppers do e-bit, não estar presente pode significar abrir mão de um grande potencial. Para isso, um marketplace, um local on-line para que as farmácias possam se cadastrar, criar presença virtual, indicar localização, registrar produtos e atender ao cliente é a melhor opção.

Nos Estados Unidos um dos temas mais debatidos durante os eventos de varejo é a multicanalidade. O primeiro ponto sobre o assunto diz respeito à experiência do consumidor, e independentemente de onde o cliente estiver, on-line ou off-line, é preciso prover uma experiência diferenciada dentro do ambiente escolhido, como, por exemplo, navegação intuitiva no site ou atendimento personalizado na loja física.

O segundo aspecto é que os norte-americanos identificaram que atuar no multicanal deixou de ser um diferencial para ser um fator determinante ao sucesso. Ou seja, não estar presente nos diversos canais, como lojas virtuais, redes sociais, mobile, etc, significa abrir mão de um faturamento potencialmente maior.

Para começar é preciso aplicar o Omnichannel, que na prática sugere a visibilidade integrada de vendas e enxerga o consumidor de forma única, independentemente do canal que ele está acessando. Para isso, é preciso planejar sortimento de produtos, gerenciar promoções, apoiar equipes de marketing, comercial e o canal de distribuição. E o principal: praticar preço único em todos os locais.

Por exemplo, o consumidor pode fazer a pesquisa de um produto pela loja virtual e concluir a compra no ponto de venda físico. Ou então, ele vai à loja e comprar e o produto não está disponível. Ele pode no local mesmo realizar a transação on-line. Ainda, o produto que ele gostou não está disponível no estoque do site, mas a empresa pode informar o estabelecimento físico mais próximo para adquirir o item em pronta entrega.

Após saber como atuar nesses ambientes, é hora de colocar na prática: integrar os canais e atuar tanto no off-line quanto no on-line. No segmento farmacêutico, por exemplo, das mais de 60 mil drogarias em todo o território nacional, apenas as grandes redes estão no mundo virtual.

Ou seja, independentemente se for na internet, dentro de um marketplace, ou na loja física, a farmácia deve propiciar um local para que o consumidor busque o medicamento e tenha boas experiências e qualidade de atendimento.

 

SEJA NOSSO PRÓXIMO CASE DE SUCESSO!

SOLICITAR ORÇAMENTO

As regras para as farmácias online

As regras para as farmácias online

BLOG

A venda de medicamentos pela internet pelas redes de farmácias e drogarias deve atender condições especiais. Veja quais são:

Somente farmácias e drogarias abertas ao público, com farmacêutico responsável presente durante todo o horário de funcionamento, podem realizar a liberação de medicamentos solicitados por meio remoto, como telefone, fac-símile (fax) e internet.

O pedido pela internet deve ser feito por meio do site do estabelecimento ou da respectiva rede de farmácia ou drogaria. O site deve utilizar apenas o domínio “.com.br”, e deve conter, na página principal, os seguintes dados e informações:

Razão social e nome fantasia da farmácia ou drogaria responsável pela venda, CNPJ, endereço geográfico completo, horário de funcionamento e telefone;
Nome e número de inscrição no Conselho do Farmacêutico Responsável Técnico;
Licença ou Alvará Sanitário expedido pelo órgão Estadual ou Municipal de Vigilância Sanitária, segundo legislação vigente;
Autorização de Funcionamento de Empresa (AFE) expedida pela Anvisa;
Autorização Especial de Funcionamento (AE) para farmácias, quando aplicável;
Link direto para exibir informações adicionais, como nome e número de inscrição no Conselho do Farmacêutico; mensagens de alerta e recomendações sanitárias determinadas pela Anvisa; condição de que os medicamentos sob prescrição só serão dispensados mediante a apresentação da receita e o meio pelo qual deve ser apresentada.
É vedada a oferta de medicamentos na internet em site que não pertença a farmácias ou drogarias autorizadas e licenciadas pelos órgãos de vigilância sanitária competentes.

Não se pode utilizar imagens, propaganda, publicidade e promoção de medicamentos de venda sob prescrição médica em qualquer parte da página. É vedada a comercialização de medicamentos sujeitos a controle especial solicitados por meio remoto. Todos os pedidos para dispensação de medicamentos solicitados por meio remoto devem ser registrados.

A divulgação de preços em farmácias eletrônicas

De acordo com a RDC 44/99 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, em sites de farmácias e drogarias online, é vedada a utilização de imagens, propaganda, publicidade e promoção de medicamentos de venda sob prescrição médica em qualquer parte da página.

A divulgação dos preços dos medicamentos disponíveis para compra na farmácia ou drogaria deve ser feita por meio de listas nas quais devem constar somente:

O nome comercial do produto;
O(s) princípio(s) ativo(s), conforme Denominação Comum Brasileira;
A apresentação do medicamento, incluindo a concentração, forma farmacêutica e a quantidade;
O número de registro na Anvisa;
O nome do detentor do registro; e
O preço do medicamento.
As listas de preços não poderão utilizar designações, símbolos, figuras, imagens, desenhos, marcas figurativas ou mistas, slogans e quaisquer argumentos de cunho publicitário em relação aos medicamentos.

As propagandas de medicamentos isentos de prescrição e as propagandas e materiais que divulgam descontos de preços devem atender integralmente ao disposto na legislação específica.

As frases de advertências exigidas para os medicamentos isentos de prescrição devem ser apresentadas em destaque. As farmácias e drogarias que realizarem a dispensação de medicamentos solicitados por meio da internet devem informar o endereço do seu sítio eletrônico na Autorização de Funcionamento (AFE) expedida pela Anvisa.

Fonte: Sebrae Nacional – 27/11/2015

 

SEJA NOSSO PRÓXIMO CASE DE SUCESSO!

SOLICITAR ORÇAMENTO